Mesmo com pandemia, trocas entre Brasil e China atingem US$ 101 bilhões e marcam recorde histórico no comércio exterior nacional

Pela primeira vez, o Brasil alcançou uma corrente comercial de três dígitos com apenas um país. Resultado foi puxado pelas exportações para a China em 2020, que também bateram recorde e chegaram a US$ 67,7 bilhões

Destaques:

  • Mesmo com os diversos desafios causados pela pandemia de Covid-19, as trocas comerciais do Brasil com a China geraram resultados surpreendentes em 2020. Confirmando as estimativas publicadas na última edição da Carta Brasil-China, houve recorde nas exportações do Brasil para a China continental no ano passado, que chegaram a US$ 67,7 bilhões. O valor é 5,9% superior à maior marca registrada anteriormente, em 2018.
  • Ainda que as importações tenham diminuído 3,5% entre 2019 e 2020, para US$ 34 bilhões – ficando abaixo do recorde de US$ 35,2 registrado em 2019 -, a corrente comercial bilateral chegou a US$ 101,7 bilhões. O resultado é inédito no comércio exterior brasileiro, no qual as trocas com apenas um país nunca chegaram a três dígitos nas transações acumuladas em um mesmo ano.  
  • Se considerarmos a corrente comercial do Brasil com a China e suas regiões administrativas especiais – Hong Kong e Macau – o recorde foi atingido em 2018, com US$ 102,1 bilhões. Mas as transações apenas com a China ficaram em US$ 98,6 bilhões naquele ano.